Trombose intestinal - Dr. Bruno Carvalho Angiologia e cirurgia vascular

Trombose intestinal

Trombose é o surgimento de coágulo nas veias ou artérias que impede o fluxo sanguíneo e como já relatado anteriormente neste mesmo site, pode surgir em qualquer parte do corpo humano. 

Hoje, portanto, vamos falar sobre a trombose intestinal, ou trombose mesentérica.

Trombose intestinal

Primeiramente, é preciso saber que três veias drenam e transportam sangue cheio de nutrientes do intestino constantemente. 

Elas se comunicam com o pâncreas, o duodeno, intestino grosso e com o fígado. 

Qualquer obstrução em uma dessas veias provoca a isquemia da região. 

Isquemia é a falta de oxigenação, levando até sua necrose, ou seja, morte do tecido. 

Sintomas de infarto intestinal 

O infarto intestinal é extremamente raro e de difícil prognóstico, o que significa que é bem complicado perceber sua evolução para poder conter a tempo. 

Seus sintomas são bem genéricos e às vezes confundidos com outras condições. 

A dor súbita na região abdominal e forte intensidade que se mantém por horas seguidas é seu mais identificável sinal de alerta. 

Diagnóstico

Devido a sua complexidade, o diagnóstico muitas vezes é feito no centro cirúrgico, no momento da cirurgia. 

Outro risco importante da doença, é que não tratada rapidamente, com o enfraquecimento das alças intestinais, 

No intestino estão concentradas as maioria das bactérias do nosso corpo, o que leva a um risco importante relacionado a essa doença, pois caso não tratada rapidamente, com o enfraquecimento da parede das alças intestinais as bactérias podem viajar pela corrente sanguínea afetando outros órgãos. 

O cirurgião ali acaba descobrindo a origem daquela isquemia e é capaz de atuar. 

Umas das apresentações da trombose mesentérica é a obstrução da veia porta.

Fatores de risco

Doenças hereditárias ou adquiridas de coagulação tornam os portadores mais suscetíveis a ter trombose intestinal.

Pessoas obesas, que já tiveram trombose, que fumam ou que passaram por cirurgia abdominal, que possuem doença de Crohn e pancreatite correm mais risco de sofrer este infarto. 

Pacientes com aterosclerose podem ser acometidos por vários tipos de obstruções, incluindo a trombose intestinal.

Por isso, fique atento aos sintomas citados abaixo e peça logo ao seu médico exames de imagens que possam identificar se há problemas na região que precisam ser identificados mais a fundo. 

  • Fezes com sangue;
  • Dor abdominal intensa. 

 

Tratamento

O tratamento para a trombose intestinal é majoritariamente cirúrgico. 

Infelizmente, devido ao diagnóstico difícil, boa parte dos casos, no momento da cirurgia, já ocorreu a necrose da região afetada e resta apenas retirar essa parte do intestino.

Quando o diagnóstico é feito por arteriografia, pode ser possível dissolver o coágulo com algumas medicações ou até mesmo inserir um stent para dilatar o local que impedia a passagem do sangue. 

Em alguns casos, após retirada de parte do intestino, não é possível manter o caminho normal até o ânus, então é necessário criar uma saída pela barriga que é dali que vai sair as fezes em uma bolsa própria.

 

Recuperação

A recuperação da cirurgia é bastante específica aos cuidados, dependendo da gravidade enfrentada. 

Dependendo da quantidade retirada, o paciente pode ficar com síndrome do intestino curto, o que torna bastante difícil a absorção dos nutrientes.

Nesses casos se faz necessária uma mudança na alimentação e ainda o uso de suplementos vitamínicos.

Prevenção

A prevenção dessa doença, assim como a maioria das doenças envolvendo nosso sistema circulatório inclui uma alimentação saudável, a prática frequente de exercícios, controle do peso e evitar o cigarro. 

Uma visita ao médico vascular ajuda a descobrir se se tem predisposição a problemas com a coagulação do sangue (trombofilia) ou até mesmo aterosclerose (que é o acúmulo de gordura na parede das veias). 

O controle da pressão arterial também é grande aliado, pois artérias sem estreitamento são mais difíceis de impedir o fluxo natural do fluxo dos sangue.

Aprenda também: O que é a reconstrução vascular?

Outras Publicações

× Agende sua consulta