Categorias
Sua Saúde

Entenda o que é a revascularização

Imagine que nosso sistema circulatório é um rio. Se algo interrompe o fluxo, os nutrientes param de chegar e a terra morre, não é mesmo? Da mesma forma funciona nosso corpo, por isso a revascularização é necessária para devolver o fluxo das artérias obstruídas.

Diferentemente da ação humana, desastres naturais, pedras ou árvores que podem obstruir o fluxo de um rio, as nossas artérias geralmente acumulam gordura, trombos sanguíneos ou são enfraquecidas com o passar dos anos por hábitos inadequados e outras doenças relacionadas. 

A revascularização, portanto, vem como um conjunto de técnicas que objetiva devolver a circulação e evitar a amputação do membro.

Quando a revascularização é necessária?

No dicionário, o termo revascularização significa restabelecer ou aumentar o fluxo sanguíneo de determinada região. 

Logo, ela é indicada quando algum membro ou órgão do nosso corpo não está recebendo o sangue da forma que deveria. 

E qualquer parte do nosso corpo pode precisar disso em algum momento. 

A doença que mais ocasiona estreitamento e obstrução do fluxo sanguíneo nas artérias é a  doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) causada pela aterosclerose

Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)

Como mencionado, a principal causa desta doença é a aterosclerose, que é a formação excessiva de placas de gordura, cálcio, entre outras substâncias nas paredes das artérias. 

Começa na infância de forma natural, mas com seu acúmulo exagerado pode vir a causar a obstrução da passagem sanguínea.

Artérias inflamadas e placas de colesterol também podem causar endurecimento dos tecidos arteriais que passam pelo coração, cérebro, membros e demais órgãos. 

Em se tratando de membros inferiores, um dos sintomas mais comuns é a claudicação, que é a dor ao caminhar, provocada pela falta de irrigação, chegada de sangue, nos músculos da perna, que ao caminhar, exigem um aporte sanguíneo maior, e não havendo essa chegada devido a doença, o músculo passa a apresentar dor. 

Esse tipo de sintoma é chamado de claudicação intermitente. 

Porém, quando a obstrução ocorre de forma súbita e o sangue não encontra uma forma de chegar ao tecido, ele infarta. Literalmente.

Tipos de revascularização

A revascularização pode ser feita através de cirurgia aberta ou de angioplastia por cateterismo, dependendo do lugar onde ela se encontra e a sua gravidade.

A revascularização por ponte de safena, também chamada de cirurgia aberta, é feita para fazer um novo caminho, conectando os caminhos onde o sangue foi obstruído. Esse tipo de cirurgia pode também ser feito com próteses sintéticas. 

Já a angioplastia, o tratamento do local acometido é realizado através de uma expansão por balão e/ou instalação de uma malha metálica (stent) que “empurra” o material da obstrução para fora do centro do vaso sanguíneo, fazendo o fluxo ser restabelecido pelo seu caminho natural.

 Sintomas

As doenças que geram a obstrução das artérias geralmente não possuem sintomas tão aparentes. 

Mas, nos casos que afetam os membros inferiores, mudanças na temperatura, dores ao caminhar e pele dos pés com aspecto azulado são sinais de que a doença está piorando e é preciso intervir. 

Causas

Já é de conhecimento geral que uma vida saudável evita doenças e nesse caso não seria diferente.

As doenças que afetam a circulação sanguínea são provocadas por uma dieta rica em gorduras, ultraprocessados, frituras, doces e poucas verduras e grãos. 

Hábitos assim aliados a poucos exercícios físicos e baixo consumo de água são propícios para aumentar os riscos do aumento do colesterol e acúmulo de gordura nessas regiões. Isso sem contarmos a predisposição genética. 

Alguns dos outros fatores de risco para desenvolvimento dessas doenças, são:

  • Diabetes;
  • Hipertensão;
  • Tabagismo;
  • Sedentarismo;
  • Insuficiência Renal;
  • Altos níveis de lipídios no sangue;
  • Hiperviscosidade sanguínea;
  • Entre outros.

 Complicações

Assim como qualquer procedimento cirúrgico, existem riscos que podem se agravar de acordo com o tempo que o paciente demora para buscar auxílio médico. 

No caso dos membros inferiores, as dores aumentam gradativamente e é possível que o paciente consiga reconhecer se algo de errado está acontecendo. 

Quanto mais cedo se busca o médico, mais fácil é o procedimento e menores são as chances de amputação. 

Cuide da sua saúde!